PRISMAS DE ALHAZEN – das representações do corpo ao corpo representado –

No próximo dia 19 de novembro, às 18hs, o grupo de performance TutuMarambá, Pesquisas das Artes do Corpo, apresentará uma performance de abertura à exposição comemorativa dos 50 anos de fotografia de Adolfo Frioli, realizada pelo Núcleo de Fotografia Olho Vivo, na Oficina Cultural Regional Grande Otelo, de Sorocaba.

A performance Prismas de Alhazen partiu da pesquisa sobre Abu Ali Hasan Ibn Al-Haitham (965 – 1040), que ficou conhecido no Ocidente como Alhazen, e é considerado o pai da ótica moderna. Nascido em Basrah (hoje, Iraque), passou a maior parte de sua vida na Espanha, onde desenvolveu importantes pesquisas científicas, nas mais diversas áreas. Conduziu experimentos sobre a propagação da luz e cores, sobre ilusões óticas, refração da luz; e foi o primeiro a descrever com precisão as partes do olho e a visão.

Aí nasceu o link com a figura do homenageado. Do mais antigo sábio, ao nosso sábio conterrâneo e contemporâneo, Adolfo Frioli. Justa homenagem na ponte que pretendemos lançar sobre o tempoespaço.

Começaremos com uma instalação: o casulo. Um berrante tropeiro, envolto em galhos secos, envoltos em seda branca: cópia de um casulo que alguma sábia lagarta deixou em nosso jardim. Aprendemos com o casulo que todo olho de fotógrafo é, ele próprio, um casulo que precisa da foto para voar. O que o olho do fotógrafo já guarda desde sempre é a potencialidade do que será revelado. Camadas semióticas de luz e sombra.

Em volta do casulo, seremos um coro grego, trazidos à contemporaneidade. Um grupo de rappers. Um corso de mascarados. Exibicionistas mostrando-se aos voyeurs – todos os fotógrafos que são fascinados pelo movimento e pela luz, desde Alhazen até o nosso Frioli.

Mas, inexoravelmente, a câmara escura nos espreita. E ela nos engole, triturando nossa tridimensionalidade em bidimensionalidade. Perdemos nossas peles, nossos poros, nossas máscaras, nossas fantasias para nos tornar comida para as máquinas dos fotógrafos, para quem nossos corpos doam parte da vida.

A foto saiu boa? É a forma contemporânea que substitui o “ser ou não ser” de Shakespeare.

Este slideshow necessita de JavaScript.

0 comments on “PRISMAS DE ALHAZEN – das representações do corpo ao corpo representado –Add yours →

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>