10168064_10152852670010747_4489098076266183691_n

Olfato: um sentido arcaico

Nesta quarta-tutu, começamos pelo olfato: um sentido arcaico, muito ligado às emoções.Deixamos o alecrim tomar conta do corpo e misturar-se à sinfonia n. 35 em Ré Maior e à Serenata Noturna n.6, de Mozart. Inspiramos o mundo, deixando a noite nos fechar como fazem algumas flores; expiramos nossos desejos, abrindo sob a luz do sol. Neste luscofusco de abrir e fechar, o corpo foi encontrando alguns caminhos, foi traçando novas trilhas, foi abrindo veredas. Tremulamos ao vento;viramos vento. Depois, colados ao chão, deixamos o nariz seguir as pistas dos cheiros e inventamos, com Wild Horses dos Rolling Stones, uma multidão de gestos de um corpo selvagem, corpo-lagarta que dançava colado ao chão, num outro eixo, com outras possibilidades para nosso corpo primata. Bem, depois, como sempre, o caminho da roça: o som da champagne e dos risos, que ninguém é de ferro!Tutu-Marambá, Pesquisas das Artes do Corpo

0 comments on “Olfato: um sentido arcaicoAdd yours →

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>