1556212_805995932760174_521670726_o

A separação cabeça-corpo

Hoje liberamos a nuca, extirpamos a separação cabeça-corpo, viramos um tronco enterrado na areia: sem pés, sem braços, sem olhos. Só um tronco, movido pelo vento, molhado pela chuva. Aí surge um desejo, do centro da terra, um movimento ejetor, anti-gravidade, que nos desloca e nos joga para cima. Pulamos e pulamos. Pulamos tanto, que o totem-índio pula também de dentro da lareira e entra na roda. Os choros de Villa-Lobos viram danças de pataxós e os troncos-corpos dançam, recuperando os membros, a nuca, a cabeça. No fim, nos deixamos mimar pelo chão, pela terra, pelo colo que nos recolherá algum dia. Depois disso, somos só risos, vinho, alegria em volta da mesa. Tutu-Marambá, Pesquisas das Artes do Corpo.

0 comments on “A separação cabeça-corpoAdd yours →

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>